Segunda, 08 Março 2021 16:07

UMA AVENTURA NA “SELVA DE PEDRA” EM SETE CIDADES PIRACURUCA PI

Escrito por
Avalie este item
(2 votos)

Dia 06/02/202, sexta feira

As 11h de uma sexta feira nublada, com as tralhas prontas e já sobre a moto saio com o destino a conhecer, explorar e me aventurar em uma “selva de pedras”, o Parque nacional de Sete Cidades, localizado no município de Piracuruca no PI, conhecer o Quintal do Curiólogo e o próprio Curiólogo e ainda aproveitar para dar um abraço no grande amigo e também motociclista Sampaio, e quem sabe subir até Tianguá no Ceará pra visitar um grande amigo, o Carlinhos.

No caminho e de cima da moto vou preparando o meu almoço, isso mesmo!!!!! Vou assando uma bela carne de sol no escapamento (Assista o vídeo) no intuito de almoçar junto ao grande motociclista Carvalho, em Anapurus MA à 278km de São Luis. Por volta das 14h bato na porta do Carvalho e assim traçamos a carne com farinha Puba (farinha típica da região).

A rota que resolvo percorrer é pouco usual, Travessia de balsa (fig 1), muitos kms de estradas de piçarra, tornam ela imprópria pra muitos, mais da um tempero especial pra minha aventura, vilas, povoados pequenos, e comunidades deixam ela mais charmosa, e a natureza bem mais preservada que as demais (fig. 2).

  

Fig. 01 travessia de balsa sobre o rio Parnaiba, em São Bernardo MA

 

 

 Fig. 2 do lado do Piauí na travessia do Parnaiba,

  

No entardecer, por volta das 18h chego em Piracuruca PI, ligo para Sampaio e ele chega ao meu encontro, batemos um bom papo e em seguida ele me acompanha até o Quintal do Curiólogo, a 17km da cidade. Ele me apresenta ao mesmo e diz: - pronto Alex, está entregue e amanhã nos vemos.

Já umas 20h o Curiólogo me leva onde vai ser a minha dormida nesta noite (fig. 03), uma casinha de madeira construída a 20m de altura sobre o topo de uma enorme pedra (fig 04).

 

 

Fig. 03 vista da Casa a noite

 

Fig.04 casa a mais de 20m de altura

 

É aqui Alex, diz o Curiólogo, com um olhar de orgulho sobre seu feito arquitetônico, e diz ainda, que o melhor de tudo é esse céu (digno de uma boa foto), e aponta para cima, mas o melhor do melhor ainda estar por vim, é o amanhecer, dizia ele sorrindo.

Armei minha rede dentro daquela casinha de madeira (fig. 05) com teto de palha e me achei num hotel cheio de estrelas, e eu tinha muito delas ali fora, desci pra um banho em um banheiro a céu aberto onde a água saia de dentro das rochas,obra do Curiólogo, e após alguns minutos de reflexão capotei, dormir o sono dos justos.

 

Fig. 05 interior da casinha


DIA 07/02/2021, SÁBADO

Acordei as 05:20h, corri e peguei a câmera e fui registrar o amanhecer (fig.06), não podia perder por nada estava magnífico, com o cantar dos pássaros então!!!

 

Fig. 06. Vista do amanhecer de cima da casa na pedra

Curíologo chega cedo para tomarmos café juntos (fig. 07) conforme combinamos, depois de muitas histórias e explicações sobre o Parque, seguimos para a aventura mais esperada.

 

Fig. 07. Eu e o Curólogo(à esquerda)

Adentramos o parque em uma estradinha de piçarra (fig. 08) entre a “selva de pedras”, muitas pedras de diversos formatos como, tartaruga (fig.09), cachorro, cobra, incrível.

 

Fig.08 estrada de acesso ao parque

 

Fig.09 Pedra em formato de tartaruga

Após olharmos várias pinturas rupestres (fig.10) pintadas nas rochas, chegamos ao mirante (fig.11) tinhamos a visão do alto e assim contemplamos a grandiosidade do Parque e suas formações rochosas. Cada pedra com sua particularidade, parecia cada uma possuir sua história, os desgastes pelas intempéries da natureza ajuda explicar. Teoricamente.

 

Fig. 10 pinturas na rocha

 

Fig. 11 mirante com vista do alto do parque

Por volta das 12h já estávamos de volta ao quintal, e eu já com as tralhas prontas resolvo partir e almoçar com o Carlinhos em Tianguá no Ceará. As 13h já estamos almoçando juntos e as 15h sigo a aventurar-me, agora na Serra de Ibiapaba, em uma trilha adentrando uma mata fechada para ao final vislumbrar uma vista maravilhosa (fig.12), pronto acaba de ser pago mais uma prestação da viagem, vou bater em retirada acabo de decidir pernoitar em Piracuruca e após eu sair da trilha/mata ainda tenho em torno de 100km até meu destino. Decidir aceitar o apoio que Sampaio havia me oferecido.

 

Fig. 12 vista do alto da Serra de Ibiapaba

Durante a ida à Piracuruca foi presenteado com um lindo pôr do sol (fig.13), indescritível, o sol se punha ao meio das gigantescas torres de Cata vento do parque eólico localizado na saída de Tianguá.

Bem devagar por conta de já ter escurecido e possuir muitos animais na pista só cheguei por volta das 19h e Sampaio já estava a minha espera. Após um bom banho seguimos ao encontro de outros motociclistas prestigiar um banquete que nos ofereceu, um churrasco carregado de muita carne de bode, carneiro e boi, e acompanhado de um bom bate papo. As 0h sem mais energia encerramos os trabalhos e segui para a casa de apoio, agora sim dormir o sono dos justos, apaguei. Valeu Sampaio!

 

Fig. 13 pôr do sol em meio ao parque eólico

 

DIA 08/02/2021, DOMINGO

 

Fui acordado pelo Sampaio as 6:30h, estava morto, já estava atrasado pois pretendia sair as 6h. Nos despedimos e seguir meu rumo, o rumo de casa. Resolvi retorner por outro caminho, o que já mais tinha feito, voltar por Luzilândia MA, não mais atravessar o Parnaiba pela balsa e sim por uma ponte pouco conhecida por muitos, a estrada era toda asfaltada porem com paisagens encantadoras (fig.14), cidadezinhas arrumadas, muito bacana.

Chegando em Anapurus MA, a transmissão da moto começa a deslizar, desgaste total, com muita sorte (mais muita sorte mesmo) consigo comprar uma relação nova e sigo viagem, mais tudo bem, esses percalços de qualquer viagem só serve pra emcumpridar as histórias.

As 16:20h chego a porta de casa, sou recebido por minha esposa e minha filha, agradeço a Deus pela proteção, e estou cansado, sujo porém com a alma lavada, renovada e a bagagem repleta cheia de histórias.

 

Fig. 14 estrada asfaltada porem também bonita

 

 

 

 

Ler 971 vezes Última modificação em Terça, 09 Março 2021 15:16
Alexandro Aranha lemos

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.